Produção de cerveja nos EUA desacelera, enquanto o Brasil cresce em cervejarias. Veja os novos números e entenda o cenário do setor nos dois países

Foto de destaque: Ricardo Jaeger (Beer Art)

No momento em que a produção e o consumo de cerveja artesanal atingem um pico histórico nos Estados Unidos – e registram crescimento mais modesto –, o Brasil vive a era da expansão das cervejarias, mas com aparente estagnação do consumo.

De acordo com o balanço do primeiro semestre de 2017, divulgado recentemente pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o Brasil fechou o mês de junho com 610 cervejarias. Foram concedidos 91 novos registros no período. O número de produtores brasileiros de cerveja, no entanto, é ainda maior. Pois nesta conta não entram as chamadas cervejarias ciganas, que não possuem fábrica própria e alugam a estrutura e equipamentos de outras cervejarias para produzirem suas receitas.

Em 2007, eram apenas 100 cervejarias no Brasil. Portanto, a indústria de cerveja no país cresceu seis vezes em 10 anos. Os autores que assinam o artigo do MAPA (para ler na íntegra, clique aqui), Eduardo Fernandes Marcusso e Carlos Vitor Muller, descrevem como “notável” a expansão do número de estabelecimentos na última década.

Cervejarias no Brasil_2000-2017

Geograficamente, as produtoras da bebida estão concentradas no Sul (42%) e no Sudeste (41%) do país. O menor índice está no Norte (3%). Entre os estados, o maior número de cervejarias está em São Paulo (122), seguido de Rio Grande do Sul (119), Santa Catarina (73) e Minas Gerais (72).

Cervejarias por estado

Cervejarias por regiao

EUA: desaceleração ou maturidade?

Já nos Estados Unidos, os dias de crescimento explosivo das cervejarias artesanais parecem ter terminado.

O balanço do primeiro semestre de 2017 da Brewers Association (BA), associação que reúne cerca de 4.000 produtores americanos independentes de cerveja, mostra que o volume de produção de cerveja artesanal no país aumentou 5% no período.

O resultado é um pouco menor do que o aumento de 8% de janeiro a junho de 2016 e significativamente inferior ao aumento de produção de 16% na primeira metade de 2015. O relatório da BA pode ser lido na íntegra clicando aqui.

ba-craft-midyear_growth_2017

“O ritmo de crescimento de cervejarias pequenas e independentes se estabilizou a uma taxa que ainda reflete o progresso, mas em um mercado mais maduro”, avalia Bart Watson, economista-chefe da Brewers Association. “O mundo da cerveja é altamente competitivo. Algumas cervejarias continuam a crescer, enquanto outras precisam evoluir sua posição”, acrescenta.

Nos últimos dois anos, o número de cervejarias nos Estados Unidos aumentou quase 50%. Em 30 de junho de 2017, havia 5.562 cervejarias operando nos EUA, 906 a mais do que no mesmo mês do ano passado. E outras 2.739 cervejarias estão em fase de planejamento, segundo o relatório da BA.

As microcervejarias contribuíram com US$ 67,8 bilhões para a economia dos Estados Unidos em 2016, um aumento de 21,7% em dois anos. O setor gerou 456.373 empregos no ano passado, um crescimento de 7,5% desde 2014.

Ou seja, as cervejarias pequenas e independentes constituem uma atividade econômica relevante para as comunidades em todos e cada um dos estados americanos. Assim, o setor de cervejas artesanais nos EUA cresce amparado por um diálogo específico e direto com deputados e senadores, com apoio institucional da BA.

A entidade possui dados precisos e utiliza essa informação para conquistar benefícios fiscais e espaço em bares, mercados e restaurantes na luta contra o monopólio das gigantes do setor. Não por acaso, cerca de 12% de toda a cerveja consumida nos EUA são de produção de cervejarias definidas como artesanais independentes (sem vínculo com as grandes multinacionais), responsáveis por 21,9% do volume de vendas total em dólares da bebida por lá.

Cenário mundial

No Brasil se produz 140 milhões de hectolitros de cerveja por ano e o país está na terceira colocação mundial, enquanto os Estados Unidos produzem 221 milhões anuais (2º do mundo). A China é a líder, com 460 milhões. Em quarto está a Alemanha (95 milhões) e, em quinto, a Rússia, com 78 milhões.

producao cerveja Brasil

No entanto, o Brasil ocupa o modesto 29º lugar entre os países que mais bebem cerveja no mundo, incluindo tanto o que é consumido dentro do lar quanto em bares e restaurantes, segundo dados consolidados de 2016 pelo Euromonitor. A média de consumo dos brasileiros é de 61 litros por pessoa ao ano. Já os Estados Unidos ocupam a 19ª posição, com 74,5 litros per capita ao ano. A República Tcheca é a líder (146,3 litros per capita), seguido por Alemanha (110,6 litros) e Áustria (103,8 litros).

No caso brasileiro, a disparidade entre oferta crescente e consumo baixo cria um cenário negativo para os produtores, de competitividade cada vez mais acirrada com público consumidor estagnado. Por outro lado, quanto mais diversidade de oferta, maior a possibilidade de o público consumidor ter contato com diferentes marcas, estilos e receitas e, assim, poder adquirir mais conhecimento sobre cerveja.

Artesanal no Brasil

O Brasil carece de números precisos sobre o setor, além de não possuir legislação específica que regulamente a atividade (leia mais aqui).

A representatividade das artesanais na produção total de cerveja no Brasil é atribuída a 1% do mercado. Há cerca de 3 anos que se fala nesse índice unitário, mesmo diante do significativo crescimento de opções de rótulos, marcas e cervejarias.

Em entrevista concedida ao portal All Beers, Carlo Bressiani, diretor da Escola Superior de Cerveja e Malte (ESCM), tem uma explicação. “Como mercado jovem e em implantação que é, o setor das cervejas artesanais ainda não tem dados consolidados que nos levem a uma afirmação como essa. Há muito tempo se fala em 1% como forma de arredondar, mas na nossa visão, esse índice já foi de 0,2% há alguns anos e hoje chega realmente próximo a 1%”, disse.

Maturidade vs Adolescência

Enquanto o mercado americano de cervejas artesanais demonstra maturidade, com marcas consolidadas, representatividade política atuante e público consumidor engajado, o Brasil vive sua adolescência, ainda em fase de incertezas.

A cerveja brasileira tem, sim, cada vez mais premiações ao redor do mundo; bares e festivais cervejeiros pipocam em diversas cidades; e a representatividade política do setor começa a dar os primeiros passos.

No entanto, o consumo ainda engatinha, os preços de artesanais independentes são proibitivos, a tributação da atividade é elevada e a aquisição de insumos e equipamentos, de grande maioria importada, é custosa. Além disso, a informalidade na relação comercial entre bares, eventos e produtores – principalmente, a famosa “venda sem nota fiscal” – dificulta a compilação de dados consolidados do setor. Sem informação confiável sobre a atividade – como empregos gerados, receita movimentada e litros consumidos –, a representação política fica comprometida.

“Hoje, o mercado brasileiro parece um adolescente que se sente como adulto, mas que a voz oscila entre grave e infantil na mesma frase”, avalia Bernardo Couto, sócio da Cervejaria 2Cabeças, em publicação no blog Cinema e Cerveja (leia o texto completo clicando aqui).

“A enxurrada de novos entrantes do mercado, principalmente marcas ciganas, vai diluindo o mercado que praticamente não cresce, com cervejas extremamente caras se comparadas às das grandes corporações. Abrem bares cervejeiros, abrem novos pontos de vendas. Uhu, estamos bombando! Parece que não se vê que também fecham bares, grandes empresas nos tiram das prateleiras. E, silenciosamente, várias marcas vão sumindo. Umas perdendo força, e outras morrendo mesmo. A euforia positiva é livre, mas cega. O lado ruim ninguém vê”, alerta Couto.

gondola Brasil
Aos poucos, as cervejas artesanais ganham espaço nos mercados brasileiros | crédito: www.revide.com.br

 

Referências:

http://wearebrewstuds.com/stories/news/craft-beer-brewing-responsible-nearly-one-half-million-american-jobs/

http://fortune.com/2017/08/01/the-craft-beer-boom-has-gone-flat/

https://www.brewersassociation.org/press-releases/brewers-association-mid-year-results-show-stable-growth-craft-segment/

http://www.allbeers.com.br/2017/09/com-91-novos-registros-no-1-semestre.html

http://abracerva.com.br/com-91-novos-registros-no-1o-semestre-mercado-das-artesanais-avanca-no-brasil-e-ja-tem-610-cervejarias/

https://cinemaecerveja.com.br/a-adolesc%C3%AAncia-da-cerveja-artesanal-1a0233e88b99

 

3 comentários em “Produção de cerveja nos EUA desacelera, enquanto o Brasil cresce em cervejarias. Veja os novos números e entenda o cenário do setor nos dois países

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s